Home

Statement by the Political Committee of the Portuguese Communist Party Central Committee

On the Conclusions of the February 18-19 European Council

  1. February 22, 2016

1. The decisions of the February 18-19 meeting of the European Council clearly show the current level of crisis, breakdown, absence of values and lack of legitimacy of the process of capitalist integration in Europe. This is a crisis that highlights the need and the urgency of breaking with a process of integration that is exhausted and increasingly marked by economic and political policies that represent a social and civilizational regression and by growing attacks against democracy and the sovereignty of the peoples.

2. The negotiations regarding the position of Great Britain in the European Union (the so-called “Brexit”) and the “solution” that was found reveal that, when confronted with a worsening economic and social crisis in Europe and with the contradictions between powers that grow in that context, the leaders of the European Union find no other answer than to, on the one hand, attempt to “accomodate” in a bureaucratic mess the elements of desintegration of the European Union and, on the other, to deepen the reactionary nature of their policies. The decisions that have now been announced belie the much heralded and sanctified “freedoms” of the European Union. The “freedom of movements and circulation” is, after all and as the PCP always said, freedom for big capital and the big monopolies to overcome borders in their policies and in their acts of economic domination, exploitation, extorsion and destruction of the rights and guarantees of the workers in the European Union. This “freedom” has now been reaffirmed and deepened in the negotiating package on “competitiveness”.

The PCP draws attention to the seriousness of the decisions that have been taken within the framework of the negotiation packages on competitiveness, social benefits and the freedom of movements. Their content, as well as the institutional framework that has been found for their implementation – with the envisaged review of EU legislation and even of its Treaties, in what concerns the freedom of movement, social and labour rights – represent a direct attack against the income of workers, namely of migrants, open the road to further social dumping and the withdrawal of social benefits from all workers and, finally, institutionalize in the so-called “union law” the discrimination of workers and citizens according to their nationality and social conditions. This is a reactionary and xenophobic course which destroys all the propaganda regarding a European Union of “freedom”, “cohesion” and “tolerance”. To speak, as the Portuguese government has done, of supposed safeguards and deadlines for implementation, is to try and mitigate what cannot, due to its cruelty and seriousness, be mitigated.

The discussion and the decisions that have now been taken by the institutions of the European Union and by the British Government clearly show that the referendum in Great Britain is seen as an instrument to manage contradictions and to try and whitewash the reactionary nationalist course of the British ruling classes, with the agreement, that has now been confirmed, of the European Union institutions and of the Governments that have a seat in the European Council. The content and the form of the decisions taken confirm that the British referendum has been and will be used to create, with even greater intensity now, an unacceptable web of blackmail and pressure upon the British people, which seeks to condition its sovereign will.

Despite the fact that the process is a farse and of its unacceptable reactionary course which seeks to limit key factors of profound crisis in the process of capitalist integration, the negotiation process shows that it is possible to change and even subvert the European Union Treaties and Legislation, when this is to the benefit of the interests of big finance capital and of the need to overcome contradictions between economic powers and save the supranational mechanisms of political and economic domination – such as the Euro or the mechanisms envisaged in the Banking Union. The “flexibility” which is now on display in the “Brexit” case is in stark contrast with the unacceptable rigidity and inflexibility in relation to the extremely serious social crisis and with the pressure and blackmail that continues to be exerted against countries such as Portugal, as has been all too clear during the debate on the [Portuguese] State Budget for 2016.

Regardless of their nature and contradictions, the decisions that have now been taken put an end to the myth that it is impossible to adapt the status of each Member State to national specificities and to the will of its people, with the possibility of establishing the necessary opt-outs, exceptions or specific safeguards, regarding the common policies, the domestic market, the Treaties – which as has now been proved can be reversed – the pacts and all the other EU legislation.

3. The PCP highlights the adoption by the European Council of recommendations for the Euro Zone, within the scope of the European semester, and stresses that their political guidelines confirm the continuation of a path of destruction of productive systems, divestment, attacks against social and labour rights, concentration and centralization of capital and impoverishment of the masses of the workers and peoples, which makes any strategy to relaunch economic growth impossible.

4. The decisions of the Council regarding migrations clarify, in an explicit and shameless way, the essence of the European Union’s migration policy – the closing down of external borders and the expulsion of all those who manage to make it to European Union territory.

The conclusions of the Council not only lend support to the worst practices, which in words are regretted by those responsible for the EU’s institutions, as they put forth a militarist and militarized vision and solution for a humanitarian problem. Example of this is the European Council’s rejoicing with NATO’s intervention, namely in the Aegean Sea, in close collaboration with FRONTEX, and the demand that Turkey takes further measures to prevent the crossings and to contain the migration flows. Such decisions starkly counter international law, which protects and gives rights to refugees and asylum-seekers, and is a harbinger of criminal maritime actions which may result in thousands of deaths. In this context, the PCP expresses its frontal opposition to the Portuguese Government’s decision to collaborate with NATO’s mission in the Aegean Sea, as well as to the Prime Minister’s stated agreement with the creation of the so-called “European Coast Guard”.

The migration policy which is now cold-heartedly reaffirmed and systematized, does not recognize neither rights nor choices for refugees, even for those that ask for asylum, namely through the “blue card”, with which Member-states will exercise their discretionary rights of “hosting” refugees, transforming a legal obligation of humanitarian assistance into a system of selective imports of cheap, skilled labour force, which will give priority to those with higher qualifications.

It is this “solidarity” policy that the EU has to offer for the so-called migration crisis, a humanitarian drama with millions of refugees in North Africa and the Middle East, which nurtures the exodus of hundreds of thousands of people that seek in Europe to escape from hunger, poverty, persecution, war. This storm is a direct result of the EU’s policy of interventions, in association with the USA and NATO and their policies of military aggression and interference in various conflicts in those regions, prominent among them the interventions in Libya, Syria, Iraq and Afghanistan. These are criminal neo-colonial policies that seek to destabilize the Arab world in order to ensure the geo-strategic control of those regions.

Comunicado da Comissão Política do Comité Central do PCP

Sobre as Conclusões do Conselho Europeu de 18 e 19 de Fevereiro

22 Fevereiro 2016

1. As decisões da Reunião do Conselho Europeu de 18 e 19 de Fevereiro são elucidativas do nível de crise, desagregação, ausência de valores e falta de legitimidade em que se encontra o processo de integração capitalista na Europa. Uma crise que realça a necessidade e urgência da ruptura com um processo de integração esgotado e cada vez mais marcado por políticas de domínio económico e político, de regressão social e civilizacional, e de crescentes ataques à democracia e soberania dos povos.

2. As negociações sobre a posição da Grã-Bretanha na União Europeia (o chamado caso “Brexit”) e a “solução” encontrada demonstram que face ao agravamento da crise económica e social na Europa e às contradições entre potências que nesse quadro se desenvolvem, os dirigentes da União Europeia não têm outra resposta que não seja a de, por um lado, tentar “acomodar” num enleado burocrático, os elementos de desagregação da União Europeia e por outro, aprofundar o carácter reaccionário das suas políticas. As decisões agora anunciadas desmentem as tão propaladas e endeusadas “liberdades” da União Europeia. A “liberdade de movimentos e circulação” é afinal, como o PCP sempre denunciou, a liberdade do grande capital e dos grandes monopólios de não conhecerem fronteiras na sua política e acção de domínio económico, exploração, extorsão e destruição de direitos e garantias dos trabalhadores na União Europeia. “Liberdade” essa reafirmada e aprofundada agora no pacote negocial sobre “competitividade”.

O PCP chama a atenção para a gravidade das decisões tomadas no âmbito dos pacotes de negociação sobre competitividade, benefícios sociais e liberdade de movimentos. O seu conteúdo, bem como a solução institucional encontrada para a sua aplicação – com a prevista revisão de legislação da União Europeia e dos próprios tratados, no que toca à liberdade de circulação e direitos sociais e laborais – representam um ataque directo aos rendimentos dos trabalhadores, nomeadamente dos emigrados, abrem caminho ao aprofundamento do dumping social e à retirada de benefícios sociais a todos os trabalhadores e, finalmente, institucionalizam na chamada “lei da união” a discriminação dos trabalhadores e dos cidadãos em função da sua nacionalidade e condição social. Trata-se de uma deriva reaccionária e xenófoba que deita por terra toda e qualquer propaganda relativa à União Europeia da “liberdade” da “coesão” e da “tolerância”. Argumentar, como o fez o Governo português, com supostas salvaguardas e prazos de implementação, é tentar mitigar aquilo que, pela sua frieza e gravidade, é impossível de ser mitigado.

A discussão e as decisões agora assumidas pelas instituições da União Europeia e pelo Governo Britânico demonstram claramente que o referendo na Grã-Bretanha é visto como um instrumento para gerir contradições e para tentar branquear uma deriva nacionalista reaccionária das classes dominantes britânicas com o beneplácito, agora confirmado, das instituições da União Europeia e dos governos que têm assento no Conselho Europeu. O conteúdo e a forma das decisões confirmam que em torno do referendo britânico se desenvolveu e desenvolverá, agora com maior intensidade, uma inaceitável teia de chantagens e pressões sobre o povo britânico que visa condicionar a livre expressão da sua vontade soberana.

Não obstante estarmos perante uma farsa e uma inaceitável deriva reaccionária, que visa conter elementos fulcrais de uma crise profunda do processo de integração capitalista, o processo de negociação demonstra que, quando se trata de ir ao encontro dos interesses do grande capital financeiro, de dirimir contradições entre potências económicas e salvar os seus mecanismos supranacionais de domínio político e económico – como o Euro ou os mecanismos previstos na União Bancária -, os Tratados e a Legislação da União Europeia são passíveis de ser alterados e até subvertidos. Esta “flexibilidade” demonstrada agora no caso “Brexit” contrasta com a inaceitável rigidez e imobilidade face à gravíssima crise social e com as pressões e chantagens que continuam a ser dirigidas contra países como Portugal, como ficou bem patente na discussão do Orçamento do Estado 2016.

Independentemente da sua natureza e contradições, as decisões agora tomadas terminam com o mito da impossibilidade de ajuste do estatuto de cada Estado Membro às suas especificidades nacionais e à vontade do seu povo, estabelecendo se necessário as necessárias derrogações, excepções ou salvaguardas específicas às políticas comuns, ao mercado interno, aos tratados – cuja possibilidade de reversibilidade agora se comprova na prática – aos pactos e demais legislação da UE.

3. O PCP alerta para a aprovação das recomendações da Zona Euro pelo Conselho Europeu no âmbito do processo do Semestre Europeu e realça que a sua orientação política confirma a prossecução de um rumo de destruição de sistemas produtivos, desinvestimento, ataques aos direitos sociais e laborais, concentração e centralização de capital, e empobrecimento das massas trabalhadoras e populares, impossibilitando assim qualquer estratégia de relançamento do crescimento económico.

4. As decisões do Conselho respeitantes às migrações clarificam, de forma explícita e despudorada, a essência da política de migração da União Europeia – o encerramento das fronteiras externas e a expulsão de todos quantos consigam chegar a território da União Europeia.

As conclusões do Conselho não só caucionam as piores práticas, que em palavras os responsáveis das instituições da UE vêm lamentando, como avançam numa visão e solução militarista e militarizada para um problema humanitário. É disso exemplo o regozijo do Conselho Europeu com a intervenção da NATO, nomeadamente no Mar Egeu, em estreita colaboração com o FRONTEX, e a exigência para que a Turquia tome mais medidas para impedir a travessia e conter o fluxo migratório. Tais decisões são profundamente contrárias ao direito internacional, que protege e confere direitos aos refugiados e requerentes de asilo, e faz antever uma criminosa acção marítima da qual poderão resultar milhares de vítimas. Nesse quadro, o PCP expressa a sua frontal oposição à decisão do Governo português de colaborar na missão da NATO no Mar Egeu bem como à posição expressa pelo Primeiro-Ministro, de concordância com a criação da chamada “Guarda Costeira Europeia”.

A política de migração, que é agora friamente reafirmada e sistematizada, não reconhece nem direitos nem escolhas para os refugiados, mesmo os que consigam pedir asilo, nomeadamente por via do “cartão azul”, em que os Estados-Membros exercerão o seu poder discricionário no “acolhimento” de refugiados, transformando aquilo que deveria ser uma obrigação legal de apoio humanitário, num sistema de importação selectiva de mão-de-obra barata e qualificada, privilegiando aqueles que detenham as mais altas qualificações.

É esta a política de “solidariedade” que a UE tem para responder à chamada crise migratória, um drama humanitário com milhões de refugiados no Norte de África e Médio Oriente, que alimentam o êxodo de centenas de milhar de pessoas que têm procurado na Europa a fuga à fome, à miséria, à perseguição, à guerra. Uma tormenta que é resultado directo da acção intervencionista da UE, em articulação com os EUA e a NATO, com as suas políticas de ingerência e agressão militar em diversos conflitos naquelas regiões, de que se destacam as intervenções na Líbia, na Síria, no Iraque e no Afeganistão. Criminosas políticas neocoloniais que visam a desestabilização do mundo árabe e o controlo geoestratégico e económico daquelas regiões.

Advertisements

One thought on “PCP on the European Council Brexit ‘solution’

  1. You can always rely on the PCP to provide a political lead, especially on the complex questions concerning nationalism and internationalism, not least the aims of US/EU/Nato alliance..

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s